O que é e quais são os principais tipos de intolerância alimentar

Há diversos tipos de intolerância alimentar e elas são mais comuns do que se imagina. Uma pesquisa nacional realizada pelo Datafolha em 2017, 35% da população brasileira com idade acima de 16 anos — o equivalente a cerca de 53 milhões de pessoas — apresentam intolerância alimentar.

Desse total, 1,5 milhão de pessoas já foram diagnosticadas com intolerância à lactose, que se caracteriza pela incapacidade de digerir adequadamente o açúcar do leite. Os sintomas podem variar com inchaço na barriga, dor abdominal, náuseas, entre outros.

Neste artigo vamos explicar o que é intolerância a alimentos, as diferenças entre essa condição e a alergia, bem como os sintomas mais comuns e os tipos de intolerância alimentar. Continue lendo para saber mais!

O que é intolerância a alimentos?

A digestão dos alimentos envolve vários processos, e um deles é a absorção do açúcar. Entretanto, quando há intolerância, essa substância permanece retida no organismo e acumulada no estômago. Isso ocorre quando o organismo não possui as enzimas necessárias para absorver o açúcar de alguns dos alimentos ingeridos.

Com isso, as pessoas intolerantes a algum alimento sentem diversos desconfortos gástricos e alterações na saúde, com o desenvolvimento de inúmeras doenças. Muitas vezes, a intolerância também pode ser confundida com a alergia alimentar, sendo importante observar os sintomas e buscar ajuda médica para a identificação adequada.

Quais são as diferenças entre a alergia e a intolerância alimentar?

A alergia alimentar decorre de uma reação imunológica, em geral, de forma rápida, aguda e mediada por anticorpos IgE (alergia) ou IgG (hipersensibilidade) que provocam sintomas e exigem investigação médica. Em geral, ela carrega um componente hereditário alérgico a alimentos como ovos, leite, soja, trigo, amendoim frutas, castanhas, camarão, entre outros.

 Já a intolerância a alimentos pode ser originada por intoxicações com agrotóxicos e outras substâncias, deficiências enzimáticas, doenças metabólicas ou outros transtornos. As reações são tardias e podem demorar várias horas ou dias após a ingestão, sendo possível passar despercebida ou ser confundida com outras patologias.

Como confirmar a intolerância alimentar

Uma vez que os sintomas de intolerância se assemelham a outros problemas intestinais e gástricos, a melhor maneira de confirmar a sua existência é buscar a ajuda de um gastroenterologista ou médico integrativo para avaliação dos sinais e exames de sangue e fezes.

Para diagnosticar a intolerância alimentar o médico pode também sugerir o teste da provocação, com a ingestão do possível alimento causador da reação e a observação posterior de possíveis sintomas.

Quais são os sintomas e as possíveis causas da intolerância alimentar?

Os sintomas normalmente surgem pouco tempo após a ingestão de algum alimento que o organismo apresenta maior dificuldade em digerir. Por esse motivo, os sinais mais comuns incluem excesso de gases, dor abdominal ou náuseas.

Os alimentos que apresentam maior probabilidade de provocar esses sintomas incluem leite, chocolate, ovos, pão, tomate e camarão. Além desses, muitos outros podem causar os mesmos sinais e isso varia de acordo com o organismo de cada pessoa. Veja a seguir os sinais mais comuns da intolerância alimentar.

Dor de cabeça constante

A dor de cabeça que persiste mesmo com algum tratamento, ou quando não é identificada nenhuma causa específica, pode ser sinal de intolerância a algum alimento, pois a inflamação do intestino interfere na produção de diversos neurotransmissores.

Cansaço excessivo

A intolerância a alguns alimentos, pode provocar um estado permanente de inflamação do organismo gerando um maior gasto de energia e causando uma sensação de cansaço excessivo que não acaba mesmo após uma noite de repouso.

Dor abdominal

Outro sintoma é a dor na barriga ou no estômago, que ocorre devido à dificuldade do organismo digerir os alimentos. Ela pode ser mais intensa, logo após a alimentação ou se manter constante durante o dia todo, principalmente se a pessoa estiver comendo diversas vezes os mesmos alimentos que provocam a intolerância

Barriga inchada

Esse é um dos sintomas mais típicos da intolerância alimentar e ocorre quando o sistema digestivo não consegue digerir completamente os alimentos. Com isso, há uma fermentação dos restos alimentares no intestino que causam acúmulo de gases, responsáveis pelo inchaço da barriga. Em geral, associada a esse sintoma costuma ocorrer uma vontade urgente de ir ao banheiro, muitas vezes com diarreia.

Coceira e manchas na pele

A saúde dos intestinos tem uma relação direta com o aspecto da pele. Por isso, quando há alguma inflamação no órgão, provocada por uma intolerância alimentar, é comum surgir alterações na pele como vermelhidão, coceira e pequenas bolinhas. Essa reação é mais comum em pessoas com intolerância ao glúten e podem aparecer em regiões como couro cabeludo, cotovelos, nádegas ou joelhos.

Dor frequente nas articulações

Embora seja um sintoma raro, a dor frequente nas articulações ou nos músculos pode sinalizar a presença de uma intolerância alimentar, pois o consumo de alguns alimentos pode piorar essa condição, principalmente em pessoas que já sofrem com fibromialgia.

Azia frequente

Em geral, a azia é decorrente da má digestão, o que provoca um retorno do conteúdo do estômago ao esôfago, causando uma sensação de queimação na garganta. Apesar desse sintoma se relacionar com a gastrite ou com o refluxo gastroesofágico, ele também pode ocorrer em pessoas com intolerância a alimentos, como nos casos de intolerantes à lactose.

Quais são os tipos de intolerância alimentar mais comuns?

Vários são os alimentos que podem provocar a intolerância alimentar. O mais comum é a lactose encontrada no leite e seus derivados. Veja a seguir outros alimentos que costumam provocar essa condição.

Lactose

A lactose é o açúcar contido naturalmente no leite. A intolerância ocorre quando o organismo não consegue produzir uma enzima, conhecida como lactase, em quantidade suficiente para digerir a lactose, provocando desconfortos e dores no corpo.

Glúten

Quando não é acompanhada de doença celíaca, a intolerância ao glúten é a incapacidade ou dificuldade de digerir essa proteína que está presente no malte, cevada, no centeio e no trigo. Nesses casos, o glúten danifica as paredes do intestino delgado, dificultando a absorção de nutrientes.

Doença celíaca

Na doença celíaca, também há uma intolerância ao glúten, entretanto, ocorre uma reação do sistema imunológico que agrava o problema, com inflamação crônica na mucosa do intestino delgado, dores intensas e diarreia frequente. Esse problema provoca a atrofia da mucosa intestinal, interferindo na absorção de nutrientes.

Frutose

Há dificuldade do organismo em absorver alimentos com esse tipo de açúcar, como frutas, legumes e vegetais. Quando consumidos provocam sintomas que incluem suor, diarreia, enjoo, vômitos e inchaço na barriga.

A causa para essa condição pode ser hereditária — por esse motivo, alguns bebês apresentam sintomas bem cedo. Entretanto, ela pode ser desenvolvida ao longo da vida, por alterações intestinais que dificultam a digestão da substância.

IgG

A produção de anticorpos tipo IgG contra vários alimentos é considerada como fator determinante para a intolerância a certos alimentos. Dessa forma, a sua dosagem é utilizada como estratégia para identificar quais alimentos podem provocar essa condição no paciente examinado e com isso eliminá-los da alimentação e adotar uma dieta adequada para garantir uma boa saúde.

Como vimos, há vários tipos de intolerância alimentar, sendo fundamental observar como nos sentimos após a ingestão de determinados alimentos e buscar ajuda médica para avaliação, diagnóstico e tratamento adequado. Além disso, é essencial manter uma alimentação saudável, retirando da dieta as substâncias que provocam os sintomas.

Gostou deste artigo? Que tal ampliar os seus conhecimentos lendo mais um post publicado em nosso blog sobre o que é destoxificação?