Osteoporose em idosos: quais são as causas e como prevenir

Você sabia que a osteoporose em idosos pode ser ignorada por muitos? Três em cada quatro pacientes com mais de 60 anos e que fraturaram o fêmur não sabiam que têm a doença. Esse dado é bem alarmante, não acha?

A melhor maneira de manter a saúde em dia é ter hábitos de vida saudáveis, fazer avaliações da sua saúde como um todo regularmente e se informar sobre o assunto. Pensando nisso, trouxemos este post que conta tudo o que você precisa saber para ficar por dentro das causas da osteoporose e como preveni-la. Boa leitura!

O que é a osteoporose?

A osteoporose é a redução da resistência dos ossos causada por diversos fatores. O envelhecimento é uma causa importante, já que, com o tempo, a renovação óssea é reduzida. Explicando melhor, o osso é uma estrutura que precisa ser renovada para se manter saudável. Isso acontece com o cálcio e outras substâncias que, com o envelhecimento, vão diminuindo gradualmente.

Já em quem apresenta osteoporose, por algum motivo, o corpo deixa de produzir material ósseo suficiente para continuar resistente. Em alguns casos, a massa óssea antiga pode ser reabsorvida pelo organismo. Mas existem casos que acontecem as duas situações.

Sem material ósseo o bastante, os ossos ficam mais fracos e finos, sujeitos às fraturas.

E por falar em perda de massa óssea, você já ouviu falar em osteopenia? Ela é uma condição fisiológica que precede a osteoporose.

Quando o paciente tem até 25% menos massa óssea considerada normal, ele apresenta osteopenia. Quando a perda é maior que isso, já é osteoporose.

A osteoporose em idosos é uma das grandes causas das fraturas do fêmur (osso da coxa). Em muitos casos, o paciente acha que caiu e quebrou o osso, quando, na verdade, fraturou o osso e por isso houve a queda. Por esse motivo é tão importante o acompanhamento médico para garantir a boa saúde dos ossos e evitar essas situações desagradáveis.

Quais são as causas da osteoporose em idosos?

Se a osteoporose é a remodelação óssea ineficiente, o que leva a acontecer isso? Por que o corpo não consegue produzir massa óssea nova ou qual é o motivo da reabsorção óssea ser tão intensa a ponto de causar fragilidade no tecido?

Nesta seção do artigo, separamos as principais explicações e informações para você saber tudo sobre a osteoporose em idosos.

Deficiência de Cálcio

Não é à toa que dizem que a amamentação faz bem para os ossos. Isso porque o alimento materno é rico em cálcio, um mineral essencial para a formação adequada da massa óssea. Enquanto somos jovens, nosso organismo usa cálcio para formar os ossos, que também atuam como uma reserva do mineral. Afinal, o nutriente tem outras funções importantíssimas no organismo, como o trabalho do coração.

Quando há um equilíbrio no metabolismo dos nossos ossos, ele retira e repõe o cálcio com facilidade e sem prejudicar a estrutura. Porém, se a ingestão do cálcio é insuficiente ou o organismo não consegue absorvê-lo adequadamente, a produção de massa óssea pode ser gravemente afetada. Como corpo não pode ficar sem as outras funções do cálcio, ele retira o mineral do osso, deixando o esqueleto frágil.

Envelhecimento

O envelhecimento é uma das principais causas. Até os nossos 20 anos, há o crescimento dos ossos. Após isso, apenas a densidade é aumentada até completarmos 35 anos, aproximadamente. A partir daí, a perda óssea é gradativa, como um processo normal do envelhecimento. No entanto, se não formamos um estoque adequado de massa óssea, o resultado pode ser osteopenia e, consequentemente, osteoporose, caso não seja diagnosticada a tempo e tratada.

Menopausa

Outro processo que também diminui a densidade óssea é a menopausa. Enquanto a mulher está em período fértil, o hormônio chamado estrogênio retarda a reabsorção dos ossos, além de fixar o cálcio na massa óssea reforçando o esqueleto.

Com a menopausa e a queda brusca na produção desse hormônio, a densidade óssea fica comprometida, já que já uma redução também nos benefícios que ele traz para os ossos. Dessa maneira, nos primeiros anos pós-menopausa pode haver perda acelerada de massa óssea.

Doenças e medicamentos

Algumas doenças são responsáveis pela osteoporose, principalmente quando falamos de pacientes jovens. Além disso, existem medicamentos que também favorecem a redução da massa óssea e que podem levar à fragilidade dos ossos. Veja algumas dessas situações.

  • hipertireoidismo;
  • doenças renais;
  • doença celíaca;
  • doenças inflamatórias intestinais;
  • doenças reumáticas;
  • síndrome de Cushing;
  • acromegalia;
  • remédios: glicocorticoides, hormônios tireoidianos, varfarina, antiepiléticos, heparina, lítio e outros.

Quais são os fatores de risco?

Todo mundo está propenso a apresentar a osteoporose. Entretanto, algumas pessoas apresentam fatores que aumentam os riscos de surgimento da doença. Para você ficar por dentro, listamos alguns deles. Olhe só:

  • pessoas orientais;
  • histórico familiar de osteoporose;
  • tabagismo;
  • sedentarismo;
  • baixa exposição ao sol (por conta da vitamina D que ajuda na fixação do cálcio nos ossos);
  • histórico de fratura prévia;
  • baixo consumo de cálcio;
  • alcoolismo;
  • ausência de menstruação por longo tempo;
  • baixo peso corporal.

Quais são os sintomas?

Assim como diversas doenças silenciosas, a osteoporose não tem sintomas expressivos, que demonstrem a sua presença sem grandes danos. Quando o paciente começa a desconfiar é porque já apresenta algum problema, na maioria dos casos, como fraturas no punho, no fêmur e na coluna. No entanto, é possível perceber alguns sinais de que a saúde dos ossos não vai bem.

  • dor ou sensibilidade nos ossos;
  • dor lombar e no pescoço ocasionadas por fraturas nos ossos da coluna;
  • postura encurvada.

Como é o tratamento?

Podemos dizer que a osteoporose tem cura quase impossível, porém dá para evitar maiores lesões e fraturas, além de melhorar a qualidade de vida do paciente. Os objetivos do tratamento são retardar a perda óssea, prevenir fraturas e controlar as dores.

Para o correto diagnóstico, o médico pedirá alguns exames, como o de densitometria óssea e radiografias. Uma vez identificada, a osteoporose é tratada com medicações específicas, terapias, como reposição hormonal e suplementação de cálcio e vitamina D, e cirurgias, quando necessário.

Como prevenir osteoporose?

Embora seja uma doença quase incurável, ela pode ser prevenida com a adoção de hábitos saudáveis. Quanto mais cedo adotarmos um estilo de vida compatível com a manutenção de ossos saudáveis, maiores as chances de ficar longe da osteoporose. As dicas de prevenção são:

  • mantenha uma alimentação saudável, rica e variada em nutrientes, principalmente cálcio;
  • tome sol por 20 minutos pelo menos 3 vezes na semana;
  • pratique atividades físicas regularmente;
  • abandone os maus hábitos, como cigarro e álcool;
  • quando indicado, faça reposição hormonal;
  • faça um acompanhamento médico frequente, com exames de densitometria óssea anual ou conforme a orientação médica.

A osteoporose em idosos é a grande causadora de quedas e fraturas que tanto prejudicam a qualidade de vida e o bem-estar desses pacientes. Por essa razão é importante ficar de olho na saúde dos ossos a fim de mantê-la sempre em dia para prevenir a doença.

Gostou do nosso post? Deixe um comentário! Conte-nos o que mais achou interessante ou nos dê alguma sugestão. Assim, a gente consegue trazer conteúdos cada vez mais interessantes para você!